andreas-weiland-252618-unsplash

Se você ainda não conhece a história da Júlia e da Sandra, clique aqui para ler o que aconteceu com elas até chegarem a esse momento:

Parte 1

Parte 2

E agora sim, leia o terceiro e último texto dessa história.

 

Será que as ideias serão aprovadas? Será que as pessoas vão embarcar nesses novos formatos? Será que vai dar certo? Esses tantos “serás” tiraram o sono de Júlia na véspera da reunião em que ela e Sandra apresentariam as propostas que criaram. Sandra também estava apreensiva, mas dormia bem, até porque o cansaço era maior do que qualquer coisa.

Quando começaram a reunião, as duas, confiantes, pareciam apresentar um número de dança em que os movimentos se entrelaçam com harmonia.

Fim das convocações para cursos presenciais e online, início de uma plataforma colaborativa de aprendizagem, com possibilidade de participação ativa de todos. Menos salas de treinamento, mais espaços de convivência para rodas de conversa, leitura de livros, acesso a conteúdos digitais. Campanhas quinzenais em vídeos com o tema “o que sei ensinar”, em que os colaboradores são os “professores” por até 2 minutos. Levantamento interno de que competências os profissionais desejam aprender. Podcast quinzenal com participação dos profissionais, com temas essenciais para a organização.

Essas foram algumas das ideias que lançaram para a gestora de Sandra, que ouviu tudo encantada. Mas restava a dúvida: quanto isso custaria? E o que fazer com todas as capacitações já planejadas para o ano? Os cursos online já prontos na plataforma? Será que as pessoas iriam aderir?

Júlia propôs que elas pensassem em duas questões: o que podemos começar a fazer diferente com o que temos e sabemos? E como melhorar em 1% o atual cenário de capacitação? Afinal, transformar a cultura de aprendizagem atual para algo mais colaborativo requer tempo, constância das ações, comunicação que aproxima e que cria confiança.

Além de responder essas perguntas, as três pegaram seus post-its, desenharam uma linha do tempo e criaram datas para celebrar cada passo dessa jornada de transformação.

Júlia dormiu feliz naquela noite, certa de que aquela sensação de estar perdendo tempo em um curso iria embora. Sabia que não seria da noite para o dia, mas que será uma linda e longa jornada a percorrer, em conjunto com Sandra, sua gestora e tantos outros profissionais que vão ajudar a desenhar esse novo jeito de aprender na empresa.

E você, tem alguma ideia para sugerir para nossas personagens? Ou quer você também desenhar novos caminhos, com essas ideias ou tantas outras que, certamente, você teve enquanto lia essa história. Uma história que não é da Sandra e da Júlia, mas sim de um novo ambiente que todos nós podemos desenhar juntos.

Para saber como podemos te ajudar nessa jornada, acesse www.vrscursos.com.br


lifelong learningjornada de aprendizagemcultura de aprendizagemconsultoria em cultura de aprendizagemunivesidade corporativainstituto de lifelong learningtreinamento e desenvolvimentoinocação em treinamento